google.com, pub-2942428232633296, DIRECT, f08c47fec0942fa0 Loque Europeia: identificar e actuar

Copyright @ 2012-2020 Quinta das Ginjas - Reservados todos os Direitos

MARCA NACIONAL Nº 494371 (INPI)

quintadasginjas@gmail.com | +351 966078170 | Alcobaça - Portugal

Quinta das Ginjas
Blog da Quinta

Na Quinta estão hoje....

The Weather Forecast....

  • Quinta das Ginjas

Loque Europeia: identificar e actuar


A Loque Europeia é uma das doenças de declaração obrigatória conforme o Decreto-Lei nº 203/2005, de 25 de Novembro.

Características & Patogenia

Trata-se de uma doença causada pela bactéria Melissococcus pluton, não formadora de esporos ("The detection of Melissococcus pluton in honey bees (Apis mellifera) and their products using a hemi-nested PCR", Ben Alexander MCKEE et all, Melbourne, Australia, 2003).


Esta bactéria é um tipo de coco de forma lanceolada oval, com um comprimento de 1 mícron ou mais. Como não formam esporos, é menos perigosa do que a Loque Americana. O período de incubação da doença é de 15 dias e sua presença é detectada quando a colonia cresce em população. Vários outros microrganismos bacterianos podem agir de forma independente ou em conjunto (invasores secundários ou oportunistas), são eles o Melissococcus alvei, Achromobacter Euridyce, Streptococcus faecalis, Bacillus laterosporus e Bacillus orfeu.

A infecção é enzoótica em virtude da contaminação mecânica dos favos de mel podendo por consequência reaparecer nos anos subsequentes. As larvas infectadas morrem em um ou dois dias antes do alvéolo ser operculado ou após a operculação, mas antes da transformação em pupa. As larvas doentes enrolam-se no fundo dos alvéolos até morrerem.

Diagnóstico

À semelhança da Loque Americana, a sua identificação poder-se-á fazer com recurso a um palito. As larvas quando tocadas podem mostrar uma goma filamentosa mais pequena e de coloração branco-amarelado. Contudo a formação deste filamento gelatinoso pode não acontecer pelo que se deverá estar atento à presença de larvas mortas no fundo dos alvéolos. Pode não haver odor ou então poder-se-á notar um acre azedo.


Disseminação & Contágio

As jovens larvas são infectadas por alimentos contaminados fornecidos pelas abelhas obreiras. As bactérias multiplicam-se rapidamente no intestino, causando a sua morte. A contaminação das abelhas obreiras faz-se quando estas fazem a limpeza e remoção das larvas mortas dos alvéolos transferindo as bactérias às novas larvas aquando da sua alimentação.

Tratamento & Procedimentos

O uso de antibióticos é totalmente interdita em apicultura (contudo inexistente para esta bactéria), então, assim que detectada, a colónia afectada bem como todas as outras presentes no mesmo Apiário deverão ser de imediato queimadas pelo fogo no local. A estrutura de madeira das colmeias poderá ser de novo usada após ser desinfectada pelo fogo (maçarico).


#PestesPragas

140 visualizações